SMA - Serviços em Medicina e Segurança Ocupacional
Quem somos Serviços Clientes Links Boletins Parceiros Dúvidas frequentes Contato
 
Boletins e artigos especiais
 

O que é Gastrite? Entenda as causas e saiba como evitá-la

Gastrite é uma denominação geral para inflamação da mucosa do estômago. A inflamação da gastrite pode ser causada por diversos fatores, tais como uso de alguns antiinflamatórios, mas a maioria dos casos está relacionada à infecção por uma bactéria.

A gastrite pode surgir de forma súbita (gastrite aguda) ou pode evoluir de maneira lenta e gradual (gastrite crônica). Apesar das várias causas e condições associadas à gastrite, os sinais e sintomas possuem pontos em comum: queimação na parte superior do abdome e, ocasionalmente, náuseas, vômitos, gases e arrotos.

Em alguns casos, gastrite pode levar a úlceras e risco aumentado para câncer de estômago. Mas para a maioria das pessoas, a gastrite não é um caso sério e apresenta ótima resposta ao tratamento.

 

Gastrite é um termo usado para descrever um grupo de doenças caracterizadas por inflamação no revestimento de seu estômago. Comumente, a inflamação da gastrite resulta de infecção com a mesma bactéria que causa a maioria das úlceras do estômago. Há ainda outros fatores – incluindo lesões traumáticas e uso regulares de certos analgésicos – que também podem contribuir para gastrite.

A gastrite pode ocorrer subitamente (gastrite aguda), ou pode ocorrer lentamente com o tempo (gastrite crônica). A respeito das muitas condições associadas com a gastrite, os sinais e sintomas da doença são muito similares: uma dor em queimação no seu abdome superior e, ocasionalmente, eructações, soluços, náuseas e vômitos.

Em alguns casos, a gastrite pode levar a úlceras e risco aumentado para o câncer de estômago. Para a maioria das pessoas, contudo, a gastrite não é séria e melhora rapidamente com o tratamento.

Os sinais e sintomas da gastrite incluem:
- Dor em queimação ou em mordedura (indigestão) em seu abdome superior que pode se tornar tanto melhor quanto pior quando você se alimenta
- Náuseas
- Vômitos
- Perda de apetite
- Inchaço ou eructações
- Sensação de plenitude em seu abdome superior após a alimentação
- Perda de peso

• Gastrite aguda ocorre subitamente e é mais frequentemente relacionada com náuseas e dor em queimação ou desconforto no abdome superior. Gastrite crônica se desenvolve gradualmente e é mais frequentemente relacionada à uma dor indolente (maçante) e uma sensação de plenitude ou perda de apetite após alguns pedaços de comida. Para muitas pessoas, porém, a gastrite crônica não causa nenhum sinal ou sintoma.

• Ocasionalmente, a gastrite pode causar sangramento no estômago, mas ele é raramente severo. Mas saiba que sangramento no seu estômago que faz você vomitar sangue ou evacuar fezes pretas e pegajosas requerem cuidados médicos imediatos.

• A gastrite geralmente se desenvolve quando a camada protetora do seu estômago se torna danificada ou sobrepujada. Uma barreira de muco protege as paredes de seu estômago dos ácidos que ajudam a digerir seu alimento. Fragilidades na barreira permitem que os sucos digestivos danifiquem e inflamem o revestimento de seu estômago.

• Vários fatores podem contribuir para o desencadeamento ou surgimento da gastrite, incluindo:

- Infecção bacteriana. Pessoas infectadas pelo Helicobacter pylori (H. pylori) podem ter gastrite ;  mais comumente gastrite crônica. Estima-se  que metade da população mundial seja infectada com a bactéria, a qual é transmitida de pessoa a pessoa. Mas a maioria daqueles infectados não apresentam nenhuma complicação da infecção por H. pylori. Em algumas pessoas, o H. pylori pode invadir o revestimento protetor do estômago, causando mudanças no revestimento do estômago. A razão porque algumas pessoas têm complicações da infecção pelo H. pylori e outras não ainda não é clara. Contudo os médicos acreditam que a vulnerabilidade à bactéria poderia ser herdada de seus pais ou poderia ser causada por seu estilo de vida, como o hábito de fumar e os altos níveis de estresse.

- Uso regular de analgésicos. Anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs) como a aspirina, ibuprofeno (Profenid), diclofenaco (Voltaren, Cataflan) e outros, podem causar tanto gastrite aguda quanto crônica. O uso regular destas drogas pode reduzir uma substância chave que ajuda a preservar a camada protetora de seu estômago. Problemas do estômago são mais raros de ocorrer se você faz uso ocasional de AINEs.

- Uso excessivo de álcool: O álcool pode irritar e corroer a camada interna do estômago, o qual torna seu estômago mais vulnerável aos sucos digestivos. O uso excessivo do álcool aumenta as chances de causar gastrite aguda.

- Estresse. Estresse severo devido à uma grande cirurgia, traumatismos, queimaduras ou infecções severas podem causar gastrite aguda.

- Doença do refluxo biliar. Bile – um líquido que ajuda você a digerir as gorduras – é produzido pelo seu fígado e armazenado em sua vesícula. Quando ele é liberado de sua vesícula, a bile viaja para seu intestino delgado através de uma série de tubos. Normalmente, um músculo esfincteriano em forma de anel (válvula pilórica) evita que a bile flua para seu estômago a partir de seu intestino delgado. Mas se esta válvula não funcionar adequadamente, ou se ela tiver sido removida por uma cirurgia, bile pode fluir para seu estômago, levando a uma inflamação e a gastrite crônica.

- Seu próprio corpo atacando células em seu estômago. A chamada gastrite auto-imune, é uma condição rara, que ocorre quando seu corpo ataca as células que formam o revestimento do seu estômago. Isto produz uma reação do seu sistema imune que pode remover a barreira protetora do seu estômago. A gastrite auto-imune é mais comum em pessoas com desordens auto-imunes, incluindo doença de Hashimoto, doença de Addison e diabete tipo I. a gastrite auto-imune pode também estar associada à deficiência de vitamina B12.

- Outras doenças e condições. A gastrite pode estar associada com outras condições médicas, incluindo HIV/AIDS, doença de Crohn, infecções por parasitas, alguns distúrbios dos tecidos conjuntivos e falências renal e hepática.

• Fatores que podem aumentar seu risco para gastrite incluem:

- Infecção pelo H. pylori. O fator de risco mais significante para gastrite é a infecção pelo H. pylori. Apesar de infectar quase a metade da população mundial, a infecção pelo H. pylori é mais comum nos países em desenvolvimento. A maioria das pessoas não têm sinais e sintomas da infecção pelo H. pylori.

- Uso regular de aspirina e outros AINEs. Se você toma aspirina regularmente para prevenir infarto ou derrame, você tem risco de desenvolver gastrite. O mesmo é verdade se você toma analgésicos para artrite ou outra condição crônica. Isto porque o uso crônico de aspirina ou outros AINEs podem causar irritação gástrica e sangramento.

- Idade avançada. Adultos mais velhos têm um risco aumentado de gastrite por que a camada protetora do estômago tende a ficar mais fina com a idade e porquê adultos mais velhos têm uma tendência maior a ter infecção pelo H. pylori ou alterações auto-imunes que pessoas mais jovens.

• Praticamente todos já experimentaram um episódio de indigestão e irritação gástrica. Na maioria dos casos a indigestão é temporária e não requer cuidados médicos. Mas se você apresentar sinais e sintomas de gastrite que permanecem por uma semana ou mais, procure seu médico. E certifique-se de dizer a seu médico se você apresentou os problemas gástricos após tomar alguma medicação, especialmente aspirina ou outros analgésicos.

• Se você está vomitando sangue ou tem sangue nas fezes, procure seu médico imediatamente para determinar a causa.

• Apesar de seu medico ser capaz de suspeitar de gastrite após colher sua história clínica e realizar o exame físico, você poderá também ter que realizar certos exames para apontar a causa exata. Estes testes incluem:

- Exames de sangue. Seu médico pode solicitar um exame de sangue para pesquisar a presença de anticorpos para o H. pylori. Um teste positivo mostra que você teve algum contato com a bactéria em algum momento de sua vida, mas não necessariamente indica infecção no momento. Exames de sangue podem também investigar anemia, a qual pode resultar de sangramento do estômago associado com gastrite.

- Teste do hálito. Este teste simples pode ajudar a determinar se você está infectado no momento pelo H. pylori.

nExames de fezes. Este teste pesquisa o H. pylori em uma amostra de suas fezes. Um teste positivo sugere infecção atual. Seu médico pode também pesquisar a presença de sangue nas suas fezes, um sinal de sangramento gástrico que acompanha a gastrite.

- Endoscopia digestiva alta. Este procedimento permite a seu médico ver anormalidades no seu trato gastrointestinal superior que podem não ser visíveis ao raio X. Para o exame, seu médico insere um tubo fino, flexível e iluminado (endoscópio) através de sua boca, para dentro do seu esôfago, estômago e primeira parte de seu intestino delgado. Sua garganta é geralmente anestesiada antes de você engolir o endoscópio, e você irá receber medicações adicionais para garantir que você estará confortável durante o procedimento. Se qualquer tecido em seu trato digestivo superior parecer suspeito, seu médico pode remover uma pequena amostra (biópsia) usando instrumentos inseridos através do endoscópio. A amostra é mandada para um laboratório para exame por um patologista. A endoscopia digstiva alta leva em torno de 20 a 30 minutos, porém você não será liberado para casa até que o efeito da medicação termine – usualmente uma ou duas  horas depois. Os riscos relacionados ao procedimento são raros e incluem sangramento e perfuração da parede do estômago. A complicação mais comum é um desconforto na garganta por engolir o endoscópio.

- RX contrastado de esôfago estômago e duodeno. Estes raios-X do seu estômago e intestino delgado procuram por sinais de gastrite e outros problemas digestivos. Eles geralmente são tirados após você ingerir um líquido (bário) que recobre a parede do seu trato digestivo, tornando a visualização mais clara nos raios-X.

• Se não tratada, a gastrite pode levar a formação de úlceras gástricas e sangramentos no estômago. Algumas formas de gastrite crônica podem aumentar seu risco para o câncer de estômago, especialmente se você apresenta afilamento extenso da parede do estômago (atrofia) ou alterações nas células de revestimento (metaplasia).

• Diga a seu médico se seus sinais ou sintomas não estiverem melhorando apesar do tratamento para gastrite.

• O tratamento para gastrite depende da causa específica. A gastrite aguda causada por AINEs ou álcool pode ser aliviada pela interrupção do uso dessas substâncias. A gastrite crônica causada pela infecção crônica pelo H. pylori é tratada pela erradicação da bactéria. A maioria dos tratamentos das gastrites incluem medicações que tratam o ácido do estômago para reduzir os sinais e sintomas dos quais você está sofrendo e promovam a cicatrização no seu estômago.

• Medicações para tratar o ácido do estômago.

- O ácido gástrico irrita os tecidos inflamados no seu estômago, causando dor e maior inflamação. É por isso que, para a maioria das gastrites, o tratamento envolve o uso de medicamentos que reduzem ou neutralizam o ácido gástrico, como:

- Antiácidos. Antiácidos de balcão de farmácia (Maalox, Mylanta e outros) em líquido ou tabletes são um tratamento comum para gastrite leve. Antiácidos neutralizam o ácido gástrico e podem aliviar rapidamente a dor.

- Bloqueadores da secreção ácida. Quando os antiácidos não fornecem o alívio necessário, seu médico pode recomendar uma medicação como a cimetidina (Tagamet), ranetidina (Antak), nizatidina (Axid) ou famotidina (Famoset), que ajuda a reduzir a quantidade de ácido que seu estômago produz

- Medicações que desligam a “bomba” de ácido. Medicações chamadas inibidores da bomba de prótons reduzem o ácido através do bloqueio da ação de pequenas bombas dentro das células secretoras de ácidos do seu estômago. Esta classe de medicações inclui o omeprazol (Losec), lanzoprazol (Lanz, Pantozol); rabeprazol (Acphex) e esomeprazol (Nexium).

• Medicações para tratar o H pylori.

- Os médicos usam vários regimes para tratar a infecção pelo H. pylori. A maioria usa uma combinação de dois antibióticos e um inibidor de bomba de prótons. Algumas vezes o bismuto (Pepto-bismol) é adicionado ao coquetel. Os antibióticos ajudam a destruir a bactéria, e o inibidor de bomba de prótons alivia a dor e a náusea, cicatriza a inflamação e pode aumentar a efetividade do antibiótico.

- Para garantir que o H. pylori foi eliminado, seu médico pode examinar você novamente após o tratamento.

ATENÇÃO NÃO USE MENHUM MEDICAMENTO SEM ORIENTAÇÃO MÉDICA.

• Apesar de ser praticamente impossível prevenir a infecção pelo H. pylori, estas sugestões podem ajudar a reduzir seus riscos de gastrite:

- Coma sabiamente. Se você frequentemente sente indigestão, faça refeições mais frequentes e com menos volume para ajudar a reduzir os efeitos do ácido gástrico. Além disso, evite quaisquer alimentos que você ache irritantes, especialmente aqueles que são temperados, ácidos, fritos ou gordurosos. Apesar destas medidas poderem reduzir os sinais e sintomas que você apresenta, elas não são capazes de prevenir a gastrite.

- Limite ou evite o álcool.  O uso excessivo de álcool pode irritar e corroer o revestimento mucoso do seu estômago, causando inflamação e sangramento.

- Não fume. O cigarro interfere na camada protetora do estômago, tornando seu estômago mais suscetível à gastrite bem como a úlceras. Fumar também eleva a produção de ácido gástrico, retarda a cicatrização gástrica e é um dos principais fatores que levam ao câncer gástrico. Contudo, parar não é fácil, especialmente se você fumou por anos. Fale com seu médico sobre os métodos que podem ajudar você a parar de fumar.

- Substitua os analgésicos.  Se possível, evite tomar AINEs – aspirina, ibuprofeno, diclofenaco. Estas medicações de balcão de farmácia podem causar inflamação no estômago ou agravar uma irritação já existente. No lugar destes, substitua para medicações analgésicas contendo acetaminofen.

- Siga as recomendações do seu médico. Seu médico pode recomendar que você tome antiácidos ou bloqueadores de secreção ácida para ajudar a prevenir gastrite recorrente.

Problemas digestivos que variam desde desconforto gástrico ao câncer de estômago podem ocorrer por muitas razões, incluindo decisões sobre o estilo de vida as quais podem ser controladas. Em geral, para manter seu sistema digestivo saudável, os médicos recomendam que você:

- Pratique bons hábitos alimentares. Tão importante como o que você como é a maneira que você come. Coma em proporções moderadas, coma em intervalos regulares e relaxe enquanto come.

- Mantenha um peso saudável. Os problemas digestivos podem ocorrer não importa qual seu peso. Mas a queimação no peito, estufamento e constipação tendem a ser mais comuns em pessoas que têm sobrepeso. Manter um peso saudável pode frequentemente prevenir ou reduzir estes sintomas.

- Faça muito exercício. Exercícios aeróbicos que aumenta sua capacidade respiratória e frequencia cardíaca também estimulam a atividade dos músculos intestinais, ajudando a mover os resíduos intestinais através do seu intestino mais rapidamente. O melhor é fazer pelo menos 30 minutos de exercícios aeróbicos a cada dia. Converse com seu médico antes de iniciar um programa de exercícios.

- Controle o estresse. O estresse aumenta seu risco de infarto e derrame, danifica seu sistema imunológico e pode desencadear ou agravar problemas de pele. Ele também aumenta a produção do ácido gástrico e retarda a digestão. Por ser o estresse inevitável para a maioria das pessoas, a chave é aprender a lidar com ele efetivamente – uma tarefa que se torna mais fácil por uma dieta balanceada, repouso adequado, exercícios regulares e maneiras saudáveis de relaxar. Se você tem problemas em relaxar, considere tomar medicações ou estudar yoga ou tai-chi. Estas disciplinas podem ajudar a focar sua mente, acalmar suas ansiedades e reduzir a tensão física. Além disso, massagens terapêuticas podem afrouxar músculos tensos e acalmar espíritos esgotados.
Voltar
 
Fone: (11) 2274-8655 - Fax: (11) 2914-5309 -
R. Lord Cockrane, 337 - Ipiranga - CEP: 04213-001 - São Paulo/ SP -
Funcionamento: 2ª a 6ª-feira das 8 às 17h - Email: